Hoje e nós

Maria Aparecida Ferreira Lovo

de Ribeirão Preto, SP

O tempo é recurso abundante, farto, que podemos usar livremente, segundo a nossa vontade.

Hoje, é pequena parte de crédito que possuímos em conjunto com todos aqueles, que de alguma forma se relacionam conosco, afetos ou não. Dádiva, nos é concedida a fim de conquistarmos mais benefícios, mais oportunidades. Por isso, é tão importante sabermos aproveitar o agora para promovermos nossa renovação moral.

Todos os Espíritos caminham para a perfeição, e Deus lhes proporciona os meios de consegui-la, através dos acontecimentos da vida material. Na sua justiça permite realizar, em novas existências, aquilo que a criatura não pode fazer ou acabar numa existência.

A doutrina da reencarnação, as existências sucessivas, é a única que corresponde à idéia da justiça de Deus, a única que pode explicar o futuro e fundamenta nossas esperanças, pois oferece meios de resgatarmos erros, enganos, através de novas situações.

A reencarnação não tem como objetivo a punição, o castigo ou o pagamento de dívida; é oportunidade de crescimento, de elevação. O espírito reencarna porque precisa progredir, precisa da vida física para desenvolver seu potencial perfectível. As vidas sucessivas, as várias vidas estão interligadas. Da mesma forma que esses elos, apesar da interligação, são independentes, isto é, muitas vidas, uma mesma individualidade. Uma das maiores objeções que se faz a reencarnação é o esquecimento do passado.

Se existe o esquecimento temporário, apesar da ligação entre as várias existências, é porque Deus na sua infinita bondade e justiça, sabe que ele - o esquecimento - é necessário.

Se cada vida é independente das outras, não precisamos saber quem fomos para desempenhar bem nossas tarefas, as responsabilidades de hoje. Basta saber o que somos e teremos idéia das condições já vividas.

Nossas criações estarão sempre conosco, Nossa vida não foi improvisada, foi construída individualmente, daí a responsabilidade pelas ações, pelas escolhas de cada um.

A lei de ação e reação que existe no mundo físico, conhecida como a 3.ª lei de Newton, também rege relações espirituais.

A ação do mal pode ser rápida, entretanto, não se sabe quanto tempo exigirá o serviço da reação para restabelecer a harmonia quebrada, por ações contrárias ao bem.

Esse reequilíbrio acontecerá pela eliminação das causas, criadas no relacionamento com os outros.

Sem o conhecimento da reencarnaçào, não teríamos noção da relação causa e efeito. É ela que permite o encadeamento dos efeitos de uma vida para outra, sejam ações praticadas no bem ou não. Logo ação e reação, além de importante lei física, é relevante lei moral, rege relações inter-humanas e ensina ao Espírito, como atuar e progredir. Reflita-se que:

• se já sabemos que a reencarnação representa oportunidade de elevação, de aprimoramento para o Espírito.

• se já sabemos que a vida atual é reflexo do passado, conseqüência da lei de ação e reação ou causa e efeito,

por que não aproveitar o momento atual para dar início à renovação, com o justo aproveitamento das horas e do tempo?

Que importância pode ter agora o passado, ficarmos presos a ele, se hoje é o presente, é o momento que temos ao nosso alcance para que o futuro seja melhor? Assim...

Hoje é o momento de semear para a colheita do amanhã. Este é o momento atual da existência com algo muito importante que se chama oportunidade - oportunidade de revisão, de renovação de planejamento, perdão, no aproveitamento das existências já vividas, Tudo volta, menos a oportunidade esquecida que será sempre uma perda real.

No livro "Há dois mil anos", Jesus diz ao senador do Império Romano, Públio Lentulus: "(...) Encontras, hoje, um ponto de referência para a regeneração de toda a tua vida, Está no seu querer o aproveitá-lo agora, ou daqui a alguns milênios".

Reflitamos: o ontem pode ter trazido experiência, o amanhã poderá surgir esperança. Mas, a melhor oportunidade, não se chama ontem nem amanhã. Chama-se hoje. Hoje é o dia.

Bibliografia:

Estude e Viva - Emmanuel/André Luiz - lição n.° 1

O Livro dos Espíritos - Allan Kardec - cap. IV - item II

(Jornal Verdade e Luz Nº 180 de Janeiro de 2001)