Finados: boa ocasião para se pensar que a vida continua

Jornal Verdade e Luz de Novembro de 2000

Finados é a data comemorativa do calendário oficial que mais se relaciona com o lado transcendental da nossa existência.

Nessa data, vêem-se inúmeras manifestações de apreço aos chamados "mortos" - que na concepção espírita são Espíritos que continuam a sua jornada vivencial no Plano Espiritual.

Considerando este tema importante para a Humanidade, Allan Kardec em "O Livro dos Espíritos", na questão 323, perguntou aos Espíritos Superiores: "A visita ao túmulo dá mais satisfação ao Espírito que uma prece feita em sua intenção?" Ao que os Espíritos responderam: "A visita ao túmulo é um modo de manifestar que se pensa no Espírito ausente: é a imagem. Já vos disse: é a prece que santifica o ato de lembrar; pouco importa o lugar, se ela é ditada pelo coração".

Com o advento do Espiritismo, a partir de 1857, inúmeros pontos obscuros em relação ao fenômeno da Morte ficaram esclarecidos de modo lógico, objetivo e coerente com o Amor e a Justiça do Criador para com os seus filhos, a Humanidade.

Pouco a pouco, o Homem está se familiarizando com os temas que versam sobre a Espiritualidade. Isto porque o progresso intelectual, nesse sentido, é estimulado pelos próprios Espíritos Superiores encarregados de promover o interesse e a conscientização da Humanidade em relação aos assuntos espirituais e às conseqüências morais.

Assim é que pelas próprias "forças das coisas", investigações científicas no campo do Espírito e da Paranormalidade avançam em vários centros de pesquisas e estudos de caráter acadêmico, com reflexos nos segmentos mais intelectualizados da sociedade.

Por outro lado, a mídia de massa, representada pelos meios de comunicação, como a televisão, o teatro, o cinema, o vídeo, a revista, o livro, o jornal e outros meios influentes, acabam difundindo nas camadas populares da população novos conceitos sobre a Morte, a Reencarnação, a Comunicabilidade dos Espíritos, a Vida Além da Vida e outros temas, facilitando o processo de transformação da cultura e conseqüentemente, da mudança de conceitos e hábitos, pelo entendimento racional sobre o "misterioso e o sobrenatural".

Toda essa revolução silenciosa vem ao encontro dos objetivos da Espiritualidade Maior, consubstanciados na mensagem de "O Espírito de Verdade", quando afirma em "O Evangelho Segundo o Espiritismo": "Os Espíritos do Senhor, que são as virtudes dos céus, como num imenso exército que se movimenta, ao receber a ordem de comando, , espalham-se sobre a face da Terra. Semelhantes a estrelas cadentes, vêm iluminar o caminho e abrir os olhos aos cegos!"

Entretanto, em convívio com aqueles que não comungam as nossas idéias, a atitude mais sensata é o respeito - seja um familiar, um amigo, um conhecido e até mesmo desconhecidos.

Quanto à essa questão é oportuno lembrar a ponderação de Emmanuel: "Senhor Jesus, (…) Faze-nos observar, por misericórdia, que Deus não nos criou pelo processo de produção em massa e que, por isso mesmo, cada qual de nós enxerga a vida e os processos de evolução de maneira diferente". (Psicografia de F. C. Xavier - In Reformador, Fev. 73)

Pense Nisso. Pense Agora.

(Jornal Verdade e Luz Nº 178 de Novembro de 2000)