Eurípedes Barsanulfo - O Apóstolo da Caridade

Joanira Necas Soares

de Ribeirão Preto, SP

Sacramento, Minas Gerais, com suas ruas tranqüilas e simples foi o palco iluminado que recebeu a 1.º de maio de l880, a presença física de um missionário do bem, Espírito feliz que trouxe ao mundo a sua contribuição pessoal, doando à humanidade a sua cultura, a dedicação natural e íntegra de sua notável mediunidade e a segurança emocional dos que conhecem os caminhos que percorrem os Mensageiros do Bem Maior.

Eurípedes Barsanulfo foi em vida um exemplo vivo de doação apostólica na vivência evangélica. Foi o 3.º dos 15 filhos do senhor Ernesto de Araújo e Jerônima Pereira de Almeida; o pai, conhecido pelo apelido de "seu" Mogico e a mãe pelo apelido de "Dona Meca".

Eurípedes Barsanulfo aprendeu a ler e escrever aos seis anos de idade, autodidata e possuidor de uma vontade férrea, e inteligentíssimo, ainda jovem dominou o Francês, falando-o com desenvoltura, iniciou o seu trabalho de educador no seio familiar, recebendo de seu pai o encargo de conduzir a educação dos irmãos, inclusive dos mais velhos. Começou a trabalhar aos seis anos de idade colaborando com o pai num armazém de secos e molhados, onde seu pai era gerente, mais tarde, já mocinho, ocupou o cargo de contador da casa comercial de seu Mogico. Suas primeiras moedas, fruto do seu trabalho, eram colocadas, à noite, nas mãos de sua mãe; teve uma infância difícil, cheia de dificuldades, jamais ganhou um brinquedo de loja, porém foi uma criança feliz e atenciosa.

Na juventude fundou o Grêmio Dramático de Sacramento, dando ao público uma diversão através das peças teatrais, que se realizavam em um antigo casarão e eram muito prestigiadas pela sociedade sacramentana; foi um jovem saudável, centrado no bem e na cultura, nunca fumou e jamais experimentou bebidas alcoólicas; dotado de um sentimento religioso profundo, tinha um coração cheio de bondade e afeiçoava-se muito aos animais e aos pássaros. Aos dezoito anos de idade montou a Farmácia Homeopática para atender a pobreza da região. Em 1901 lançou a Gazeta de Sacramento, um serviço de utilidade pública com o intuito de instruir o povo; em 1902 tornou-se vereador na Câmara Municipal de Sacramento, foi jornalista, professor de Francês e Geografia e Secretário da Irmandade de São Vicente de Paulo, tudo isso com apenas 22 anos de idade. Foi professor no Liceu de Sacramento onde já ensinava Espiritismo e fundou o Colégio Allan Kardec em 31/01/1907.

Em 1905 deu-se o encontro com a espiritualidade e com a Doutrina Espírita, através do seu tio Mariano da Cunha Júnior conheceu a obra de Léon Denis, "Depois da Morte", leu e releu-o, a segunda leitura fez-lhe vibrar a alma ainda mais. Dias depois Eurípedes foi com o tio ver uma sessão mediúnica, e o Dr. Bezerra de Menezes numa comunicação mediúnica falhou-lhe de sua missão e que seria amparado por Vicente de Paulo, seu Espírito protetor, que também se dirigiu a ele, explicando-lhe como seria a sua missão. Eurípedes concentra-se numa prece elevada a Jesus e por longos minutos excursiona no Mundo Espiritual. Desponta nesse instante a notável mediunidade que mais tarde ampliar-se-ia em: vidência, audição, psicofonia, psicografia, efeitos físicos, cura e bicorporeidade.

Eurípedes abraça com amor a sua tarefa dentro da planificação de Jesus, sua mediunidade torna-se um eficiente instrumento da Espiritualidade Superior, sua farmácia e as curas vão se popularizando cada vez mais, grande era o número dos que se beneficiavam com os remédios e as cirurgias espirituais.

Assim foi sua vida, dedicação à cultura e à mediunidade a serviço dos sofredores, sob a inspiração e a diretriz de São Vicente de Paulo e Dr. Bezerra de Menezes, e com certeza de muitos outros Missionários da Luz que do Mundo Invisível colaboram com os que estão a serviço do Amor Maior.

Eurípedes adoeceu no dia 23 de outubro de 1918, acometido pelo vírus da "gripe espanhola" e desencarnou a 1.º de novembro de 1918. Desencarnou como viveu, em seu ponto de honra a serviço do Bem.

Sua vida foi um apostolado de Amor e Caridade e é para a humanidade um rastro luminoso, exemplo de vida, humildade e dedicação a Jesus.

Fonte Bibliográfica:

Eurípedes Barsanulfo, o Apóstolo da Caridade - Jorge Rizzini – Edições Correio Fraterno (7.ª Edição – Abril de 1992)

(Jornal Verdade e Luz Nº 178 de Novembro de 2000)