Quem Não Veio, Perdeu...

Orson Peter Carrara

É comum acontecer. Depois que passou aquela palestra que empolgou a platéia, depois que o fabuloso evento já aconteceu ou após os momentos bonitos de um acontecimento carinhosamente preparado, aparece alguém e diz: "Ah, eu não sabia..." ou "Ah, eu me esqueci completamente... ". Ou ainda: "Chegou gente em casa, havia um aniversário." E tem mais: "Eu estava tão cansado" ou ainda as clássicas expressões: "Se eu soubesse que o tema era esse, teria ido" ou "Foi filmado?" e "Quando ele vier novamente, avise-me, que aí eu não perco".

Que pena! Como lamentamos esse comportamento, embora entendamos... Entendemos que tudo é uma questão de prioridade. Na verdade, tudo é uma questão de buscarmos aquilo que verdadeiramente nos interessa.

Mas, é aquela história: Que não participa ... , quem se isola... Quem não veio, perdeu ... E nada se compara às emoções ao vivo. Por mais que vejamos a fita posteriormente, nada se compara de viver o momento em que os fatos acontecem.

E vemos gente que procura ajuda, gente triste ou desnorteada, sempre à busca de orientação, sempre à procura de passes, mas que não valorizam palestras e participação em eventos.

Não percebem que estão jogando fora a orientação que buscavam. Não percebem o quanto estão desperdiçando. Muitas vezes, passam horas na frente da tv ou esperando o tempo passar, enquanto tudo está acontecendo e a pessoa perdendo justamente aquela luz que poderia brilhar em seu favor. Palestras e eventos são importantíssimos pela motivação e ensinamento que trazem. Normalmente os oradores e expositores preparam carinhosamente o trabalho a ser apresentado, embora haja também os que não preparam, e esta preparação assessorada pelos bons espíritos traduzem o amparo que a pessoa necessita. E a pessoa perde, por motivos banais, jogando fora a ajuda que a vida lhe enviou. Enviou na forma de convite, enviou na oportunidade criada com aquele evento, com aquele palestrante, naquela cidade, naquele Centro. Tudo certo para ajudar a pessoa, com tema específico, e a pessoa perde. Prefere isolar-se, joga fora tudo que lhe foi preparado ... Que pena...

E tem mais: às vezes há até um desrespeito para com o expositor. Ele vem de fora, viaja muitas horas, deixa o conforto da família, usa horas de folga. E a pessoa não comparece, um verdadeiro desrespeito para com o trabalho do companheiro que vem àquela cidade com esforço e boa vontade. É claro que às vezes há motivos justos para ausência e há também a questão de que não somos obrigados a nada em nossa Doutrina. Porém, um pouco de consciência indica que a tão desejada união nasce desse esforço em prestigiar os eventos, palestras e expositores.

Se esquecemos um evento ou palestra, se chegamos atrasados, se deixamos em plano secundário os ensinos da Doutrina, é porque eles realmente estão em plano inferior dentro de nós. Ainda não entendemos seus fundamentos e objetivos.

E com isso, estamos a adiar nossa felicidade e equilíbrio. Se a vida já é conturbada, se enfrentamos tantos desafios e dificuldades com Ela. Imagine sem Ela. Quem se isola, perde. Que não participa, perde. Mas, quem participa... Ah! Este conhece a força da fraternidade, este conhece a força da Doutrina, este conhece o valor desta Doutrina luz que tanto bem nos faz.